Na tarde da última terça-feira (01), na Sala de Audiências do Ed. Sede do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (rua da Consolação, 1272, 1º andar – São Paulo/SP), foram lavrados três acordos, envolvendo empresas do ramo da metalurgia e o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de São Paulo, Mogi das Cruzes-SP.

Presididas pelo desembargador Wilson Fernandes, vice-presidente judicial do TRT-2, as audiências consecutivas trataram desde reversão de dispensas de trabalhadores a abono de dias paralisados.

Termo de audiência nº 043/16

O Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de São Paulo, Mogi das Cruzes-SP e a Metalúrgica Mauser Indústria e Comércio Ltda. chegaram a um acordo. Dentre outros tópicos, estabelecia a redução do número de dispensas a 40 empregados, com manutenção do plano de saúde deles por dois meses e de cesta básica por seis meses, além de estabilidade aos demais empregados por 90 dias. Também foi abonado um dia de paralisação e marcadas as datas limites para os pagamentos das verbas rescisórias e multa em caso de atraso (de 100%).

(Processo TRT/SP nº 1000415-28.2016.5.02.0000)

Termo de audiência nº 044/16

O mesmo sindicato da audiência anterior, e as empresas Lavagem Americana Indústria de Máquinas Ltda. e Esmeralda Administradora S/C Ltda. se conciliaram para estabelecer a data de retorno dos empregados ao trabalho – esta quarta-feira (02), além de pagamento da 2ª parcela do Plano de Lucros e Resultados (PLR) de 2015, depósitos de FGTS, abono dos dias parados e homologações das rescisões no próximo dia 11.

(Processo TRT/SP nº 1000420-50.2016.5.02.0000)

Termo de audiência nº 045/16

Por fim, ainda com mesmo sindicato e a empresa Indústria de Galvanoplastia Braslongo Ltda. Epp, o último acordo do dia estabeleceu que a empresa não procederá o desconto decorrente dos dias de paralisação, e concedeu uma estabilidade de 90 dias aos trabalhadores, que já haviam retornado às atividades e recebido o pagamento dos salários e vales-transporte que estavam em atraso.

(Processo TRT/SP nº 1000432-64.2016.5.02.0000)

Texto: Alberto Nannini – Secom/TRT-2